segunda-feira, 30 de setembro de 2013

O ENSINO NA IDADE MÉDIA É SUPERIOR AO ENSINO ATUAL (Título deste Blogueiro)

As crianças na escola. O ensino na Idade Média – Parte 1


Régine Pernoud

Honorius of Autun’s Imago Mundi in a private collection
Na Idade Média, como em todas as épocas, a criança vai à escola. Em geral, à escola da sua paróquia ou do mosteiro mais próximo.
Todas as igrejas agregam a si uma escola, pois o concílio de Latrão, em 1179, faz-lhes disso uma obrigação estrita.
É uma disposição corrente, ainda visível na Inglaterra, encontrar reunidos a igreja, o cemitério e a escola.
Frequentemente, são também as fundações senhoriais que asseguram a instrução das crianças: Rosny, uma aldeiazinha das margens do Sena, tinha desde o início do século XIII uma escola, fundada por volta do ano 1200 pelo seu senhor Guy V Mauvoisin.
Por vezes também, trata-se de escolas puramente privadas, quando os habitantes de um lugarejo associam-se para sustentar um professor encarregado de ensinar as crianças.
Um pequeno texto divertido conservou-nos a petição de alguns pais solicitando a demissão de um professor.
Não tendo sabido fazer-se respeitar pelos seus alunos, foi por eles desrespeitado, ao ponto de eles o picarem com os seus grafiones (eum pugiunt grafionibus), isto é, os estiletes com os quais eles escrevem nas suas tabuinhas revestidas de cera.
Mas os privilegiados são evidentemente aqueles que podem aproveitar o ensino das escolas episcopais ou monásticas, ou ainda das escolas capitulares, porque os capítulos das catedrais estavam submetidos à obrigação de ensinar o que o referido concílio de Latrão lhes fixara.
Diz Luchaire: “Em cada diocese fora das escolas rurais ou paroquiais que já existiam, os capítulos e os mosteiros principais tinham as suas escolas, o seu pessoal de professores e de alunos” (La société française au temps de Philippe-Auguste, p. 68).
Ora et laboraAlgumas adquiriram na Idade Média uma notabilidade muito particular.
Por exemplo, as de Chartres, Lyon, Mans, onde os alunos representavam as tragédias antigas; a de Lisieux, onde no início do século XII o bispo em pessoa se deleitava em ensinar; a de Cambrai, sobre a qual um texto citado pelo erudito Pithou nos informa que elas tinham sido estabelecidas especialmente a fim de serem úteis ao povo na condução dos seus assuntos temporais.
As escolas monásticas tiveram talvez ainda mais renome, como as de Bec e Fleury-sur-Loire, onde foi aluno o rei Roberto, o Piedoso; a de Saint-Géraud d’Aurillac, onde Gerbert aprendeu os primeiros rudimentos das ciências que ele próprio iria levar até um tão alto grau de perfeição; a de Marmoutier, perto de Tours; a de Saint-Bénigne de Dijon, etc.
Em Paris encontram-se desde o século XII três séries de estabelecimentos escolares:
— a escola Notre-Dame, ou grupo de escolas do bispado, cuja direção é assumida pelo chantre para as classes elementares, e pelo chanceler para o grau superior;
— as escolas de abadias como Sainte-Geneviève, Saint-Victor ou Saint-Germain-des-Prés;
— e enfim as instituições particulares abertas por professores que obtiveram a licença de ensino, como por exemplo Abelardo.
A criança era aí admitida com sete ou oito anos de idade, e o ensino que preparava para os estudos da universidade estendia-se como hoje por uma dezena de anos. São os números que fornece o abade Gilles de Muisit.
Os rapazes eram separados das moças, que tinham em geral os seus estabelecimentos particulares, menos numerosos talvez, mas onde os estudos eram por vezes muito ativos.
A abadia de Argenteuil, onde foi educada Heloísa, ensinava às moças a Sagrada Escritura, as letras, a medicina e mesmo a cirurgia, sem contar o grego e o hebraico que Abelardo lá ensinou.
Em geral, as pequenas escolas proporcionavam aos seus alunos as noções de gramática, aritmética, geometria, música e teologia, que lhes permitiriam aceder às ciências estudadas nas universidades.
É possível que algumas tenham comportado uma espécie de ensino técnico.
Histoire Littéraire cita, por exemplo, a escola de Vassor, na diocese de Metz, na qual, enquanto se aprendia a Sagrada Escritura e as letras, se trabalhava o ouro, a prata, o cobre (Cf. Livro VII, c. 29, citado por J. Guiraud, Histoire partiale, histoire vraie, p. 348).
(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” – Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)



Professores e alunos na escola. O ensino na Idade Média – Parte 2


Régine Pernoud

Filósofo medieval, Grandes Chroniques de France
Filósofo medieval, Grandes Chroniques de France
Os mestres eram quase sempre secundados pelos estudantes mais velhos e mais formados, como atualmente no ensino mútuo. Diz Gilles de Muisit, lembrando as suas recordações de juventude:
“Que bela coisa ver a quantidade de aprendizes: habitavam desvãos e quartos, em comum, filhos de homens ricos e filhos de artesãos”.
De fato, nessa época as crianças de todas as “classes” da sociedade eram instruídas juntas, como o testemunha a anedota célebre de Carlos Magno sendo severo para com os filhos dos barões que se mostravam preguiçosos, ao contrário dos filhos dos servos e de pessoas pobres.
Geometria
Geometria
A única distinção estabelecida consistia nas retribuições: ensino gratuito para os pobres e pago para os ricos. 
Esta gratuidade podia prolongar-se por toda a duração dos estudos, e mesmo para o acesso ao ensino, uma vez que às pessoas que têm a missão de dirigir e tomar conta das escolas o concílio de Latrão proíbe “exigir dos candidatos ao professorado uma qualquer remuneração pela outorga da licença”.
Há pouca diferença, na Idade Média, na educação dada às crianças de diversas condições.
Os filhos dos vassalos menores são educados na residência senhorial, juntamente com os do suserano, e os dos ricos burgueses são submetidos à mesma aprendizagem que o último dos artesãos, se estes querem futuramente tomar conta da loja paterna.
É sem dúvida por isto que temos tantos exemplos de grandes personagens saídos de famílias de condição humilde:
— Suger, que governa a França durante a cruzada de Luís VII, é filho de servos;
— Maurice de Sully, o bispo de Paris que mandou construir Notre-Dame, nasceu de um mendigo;
— São Pedro Damião foi guarda-porcos na sua infância; e uma das mais vivas luzes da ciência medieval;
— Gerbert d’Aurillac [Papa Silvestre II], é igualmente pastor;
— o papa Urbano VI é filho de um pequeno sapateiro de Troyes;
— e Gregório VII, o grande papa da Idade Média, era filho de um pobre cabreiro.
Roberto II o Piedoso, Grandes Chroniques de France, século XV, BNF
Roberto II o Piedoso, Grandes Chroniques de France, século XV, BNF
Inversamente, muitos dos grandes senhores são letrados cuja educação não devia diferir muito da dos clérigos.
— Roberto, o Piedoso, compõe hinos e sequências latinas;
— Guilherme IX, príncipe da Aquitânia, é cronologicamente o primeiro dos trovadores;
— Ricardo Coração-de-Leão deixou-nos poemas;
— assim como os senhores de Ussel, dos Baux e tantos outros.
E há casos mais excepcionais, como o do rei da Espanha Afonso X, o Astrônomo, que escreve sucessivamente poemas e obras de direito, faz progredir notavelmente os conhecimentos astronômicos da época com a redação das suas Tables alphonsines (Tabelas afonsinas), deixa uma vasta Chronique (Crônica) sobre as origens da história da Espanha e uma compilação de direito canônico e de direito romano, que foi o primeiro Code (Código) do seu país.
(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” – Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)

Como era o aprendizado universitário. O ensino na Idade Média – Parte 3


Régine Pernoud

A bula Parens scientiarum, de Gregório IX
A bula Parens scientiarum, de Gregório IX
Os estudantes mais dotados tomam naturalmente o caminho da universidade.
Fazem a sua escolha segundo o ramo que os atrai, pois cada uma tem algo do que se pode considerar uma especialidade.
Em Montpellier, é a medicina. Desde 1181 Guilherme VII, senhor desta cidade, deu a qualquer particular — quem quer que seja, e venha de onde vier — a liberdade de ensinar esta arte, desde que apresente suficientes garantias de saber.
Orleans tem como especialidade o direito canônico, e Bolonha o direito romano.
San Gregorio IX 02, aprueba los Decretales, Rafael, Stanza della SegnaturaMas “nada se pode comparar a Paris”, onde o ensino das artes liberais e da teologia atrai os estudantes de todos os países – Alemanha, Itália, Inglaterra, e mesmo da Dinamarca ou Noruega.
Estas universidades são criações eclesiásticas, de algum modo o prolongamento das escolas episcopais, das quais diferem no fato de dependerem diretamente do Papa, e não do bispo do lugar.
A bula Parens scientiarum, de Gregório IX, pode ser considerada a carta de fundação da universidade medieval, com os regulamentos promulgados em 1215 pelo cardeal-núncio Roberto de Courçon, agindo em nome de Inocêncio III, e que reconheciam explicitamente aos professores e aos alunos o direito de associação.
Criada pelo papado, a universidade tem um caráter inteiramente eclesiástico.
Os professores pertencem todos à Igreja, e as duas grandes ordens que a ilustram no século XIII – franciscana e dominicana – nela vão cobrir-se de glória com um São Boaventura e um São Tomás de Aquino.
Os alunos, mesmo os que não se destinam ao sacerdócio, são chamados clérigos, e alguns deles usam a tonsura, o que não quer dizer que aí apenas se ensine a teologia, uma vez que o seu programa comporta todas as grandes disciplinas científicas e filosóficas, da gramática à dialética, passando pela música e pela geometria.
Essa “universidade” de professores e estudantes forma um corpo livre. Desde o ano 1200, Filipe Augusto tinha subtraído os seus membros da jurisdição civil — dito de outra maneira, dos seus próprios tribunais.
Professores, alunos e mesmo os criados destes dependem apenas dos tribunais eclesiásticos, o que é considerado um privilégio e consagra a autonomia dessa corporação de elite.
Professores e estudantes estão, portanto, inteiramente isentos de obrigações relativamente ao poder central.
Administram-se a si próprios, tomando em comum as decisões que lhes respeitam, e gerem sua tesouraria sem nenhuma ingerência do Estado.
É esta a característica essencial da universidade medieval, e provavelmente aquela que mais a distingue da de hoje.
Esta liberdade favorece entre as diversas cidades uma emulação.Durante anos, os professores de Direito Canônico de Orleans e de Paris disputam entre si os alunos.
Universidade de Oxford, Inglaterra
Universidade de Oxford, Inglaterra
Os registros da Faculdade de Direito formigam de recriminações aos estudantes parisienses, que vão fraudulentamente concluir a sua licenciatura em Orleans, onde os exames são mais fáceis. Ameaças, anulações, processos, nada surte efeito, e as contestações prolongam-se interminavelmente.
Emulação também a respeito dos professores mais estimados ou menos, das discussões apaixonadas das teses, que os estudantes tomam a peito até ao ponto de algumas vezes entrar em greve.
A universidade, mais ainda do que nos nossos dias, é na Idade Média um mundo turbulento.
É também um mundo cosmopolita. As quatro “nações” entre as quais estavam repartidos os clérigos parisienses indicam-no suficientemente: havia os picardos, os ingleses, os alemães e os franceses.
Os estudantes vindos de cada um destes países eram, portanto, suficientemente numerosos para formar um grupo que tinha a sua autonomia, os seus representantes, a sua atividade particular.
Fora disto, assinalam-se correntemente nos registros nomes italianos, dinamarqueses, húngaros e outros.
Os professores que ensinam vêm também de todas as partes do mundo.
Siger de Brabant e Jean de Salisbury, seus nomes já os identificam; Alberto Magno vem da Renânia; São Tomás de Aquino e São  Boaventura, da Itália.
Não há então obstáculo às trocas de pensamento, e só se julga um professor pela amplidão do seu saber.
Esse mundo matizado possui uma língua comum, o latim, única falada na universidade.
É sem dúvida o que lhe evita ser uma nova Torre de Babel, apesar dos grupos diversificados de que é composta.
O uso do latim facilita as relações, permite aos sábios comunicar-se de uma ponta à outra da Europa, dissipa de antemão qualquer confusão na expressão, e salvaguarda também a unidade de pensamento.
Os problemas que apaixonam os filósofos são os mesmos em Paris, Edimburgo, Oxford, Colônia, Pavia, ainda que cada centro e cada personalidade lhes imprima o seu caráter próprio.
Tomás de Aquino, vindo da Itália, acaba de esclarecer e ultimar em Paris uma doutrina cujas bases concebera em Colônia, escutando as lições de Alberto Magno.
Nada se parece menos com um vaso fechado do que a Sorbonne do século XIII. Gilles de Muisit resume deste modo a vida dos estudantes:
“Clérigos vêm aos estudos de todas as nações e no inverno se reúnem em vários grupos. Fazem-se leituras e escutam, instruindo-se; no verão regressam muitos às suas regiões”.
O seu vaivém é perpétuo. Partem para alcançar a universidade da sua escolha, voltam para as suas terras nas férias, põem-se a caminho para aproveitar as lições de um professor de nomeada ou estudar uma matéria na qual determinada cidade se especializou.
Já mencionamos as “fugas” dos candidatos aos exames de direito canônico para Orleans, e isto se repete constantemente, por vezes entre cidades muito distantes.
Estudantes e professores são frequentadores das estradas reais. A cavalo e mais frequentemente a pé, percorrem léguas e léguas, dormindo em celeiros ou na hospedaria.
Com os peregrinos e os mercadores, são eles que mais contribuem para a extraordinária animação que na Idade Média reinou nas nossas estradas, e que elas apenas reencontraram no século do automóvel, ou melhor, depois do desenvolvimento dos desportos de ar livre.
O mundo letrado da época é um mundo itinerante. A tal ponto que em alguns o movimento se torna uma necessidade, uma mania.
Nos nossos dias encontramos no Quartier Latin estudantes desses envelhecidos na boemia, que não conseguiram voltar a uma vida normal nem utilizar os estudos cujo peso suportaram durante anos.
Na Idade Média, esse tipo de indivíduos vagueava pela estrada. Era o clérigo vagabundoou goliardo, tipo bem medieval, inseparável do “clima” da época. “Todo das tabernas e das raparigas”, vai de taberna em taberna em busca de uma “refeição gratuita obtida por manha”, e sobretudo de um copo de vinho; é assíduo dos maus lugares, guarda alguns restos de saber, dos quais se serve para o assombro das boas pessoas, a quem recita versos de Horácio ou fragmentos de canções de gesta; inicia ao acaso dos encontros uma discussão sobre qualquer questão teológica; e acaba por se perder na multidão dos jograis, dos tratantes e dos maltrapilhos, quando não o faz para evitar uma prisão devido a alguma má ação. As suas canções correram a Europa, e o mundo estudantil conhece ainda desses cantos goliardos:
“É meu propósito morrer numa taberna. Que o vinho dê ânimo aos moribundos, e digam coros de anjos com veneração: Que Deus seja benevolente com os bebedores!”
Várias vezes a Igreja teve de proceder severamente em relação a esses clérigos vagabundos (clerici vagi), que mantinham a devassidão e a preguiça no mundo dos estudantes.
Eles são a exceção.
(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” – Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)



Como viviam os estudantes universitários.O ensino na Idade Média – Parte 4


Régine Pernoud
Universidade Jagelônica, Cracóvia, Polônia
Universidade Jagelônica, Cracóvia, Polônia
No conjunto, o estudante do século XIII não tem uma vida muito diferente da do século XX.
Conservaram-se e publicaram-se cartas dirigidas aos pais ou a colegas (Cf. Haskins, The life of medieval students as illustrated by their letters, in American Historical Review, III (1892), nº 2), que revelam aproximadamente as mesmas preocupações de hoje: os estudos, os pedidos de dinheiro e de provisões, os exames.

O estudante rico morava na cidade com o seu criado, os de condição mais modesta hospedavam-se em casas de burgueses do bairro Sainte-Geneviève e faziam-se exonerar de toda ou parte das suas taxas de inscrição na faculdade.

Encontramos frequentemente à margem, nos registros, uma menção indicando que fulano ou beltrano nada pagou, ou só pagou metade da remuneração, propter inopiam (devido à sua pobreza).

O estudante desprovido de recursos faz frequentemente pequenos trabalhos para viver. É copista, encadernador nos livreiros que têm loja na Rue des Écoles ou na Rue Saint-Jacques.
Além disso, pode ser custeado de cama e mesa nos colégios instituídos. O primeiro deles foi criado no Hôtel-Dieu de Paris por um burguês de Londres que, no regresso de uma peregrinação à Terra Santa, pelo fim do século XII, teve a ideia de fazer uma obra piedosa favorecendo o saber nas pessoas de modesta condição.

Deixou uma fundação perpétua, encarregada de albergar e de alimentar gratuitamente dezoito estudantes pobres, que só ficavam sujeitos a velar os mortos do hospital e a levar cruz e água benta por ocasião dos enterros.

Um pouco mais tarde fundaram-se de igual modo o colégio Saint-Honoré e o de São Tomás no Louvre, seguidos de muitos outros.

Universidad

Pouco a pouco, ganhou-se o hábito de organizar nesses colégios sessões de trabalho em comum, como nos seminários alemães, ou os grupos de estudos que funcionam desde alguns anos antes nas nossas faculdades.

Os professores vieram aí lecionar, alguns fixaram-se, e por vezes o colégio tornou-se mais frequentado do que a própria universidade, como acontece com o colégio da Sorbonne.
No conjunto havia todo um sistema de bolsas, não oficialmente organizado, mas correntemente em uso, e que se aparentava com a Escola Normal Superior francesa, menos o exame de entrada, ou ainda aquilo que se pratica nas universidades inglesas, nas quais o estudante bolsista recebe gratuitamente não apenas a instrução, mas ainda cama e mesa, e por vezes vestuário.

(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” – Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)




O quê se estudava nas Universidades? O ensino na Idade Média – Parte 5


Régine Pernoud

Jovem doutor em leis, seculo XV

O ensino é dado em latim. Divide-se em dois ramos: o triviumou artes liberais – gramática, retórica e lógica; e o quadrivium, quer dizer, as ciências – aritmética, geometria, música e astronomia.

Com as três faculdades de Teologia, Direito e Medicina, eles formam o ciclo dos conhecimentos.

Como método, utiliza-se sobretudo o comentário. Segundo a matéria ensinada, lê-se um texto — asÉtymologies(Etimologias) de Isidoro de Sevilha, asSentences (Sentenças) de Pedro Lombardo, um tratado de Aristóteles ou de Sêneca — e glosa-se o texto, fazendo todas as observações às quais ele pode dar lugar, do ponto de vista gramatical, jurídico, filosófico, linguístico, etc.

Portanto esse ensino é sobretudo oral, dá espaço importante à discussão — questiones disputate — de assuntos na ordem do dia, tratados e discutidos pelos candidatos na licenciatura perante um auditório de professores e alunos.

Alguns deram lugar a tratados completos de filosofia ou de teologia, e glosas célebres, passadas por escrito, eram comentadas e explicadas na continuação dos cursos.

Idade Media 21

As teses defendidas pelos candidatos ao doutoramento não são então simples exposições sobre uma obra inteiramente redigida, mas teses emitidas e defendidas perante todo um anfiteatro de doutores e de professores, durante as quais qualquer assistente pode tomar a palavra e apresentar as suas objeções.
Como se vê, esse ensino apresenta-se sob uma forma sintética, sendo cada ramo recolocado num conjunto onde adquire um valor próprio, correspondendo à sua importância para o pensamento humano.

Por exemplo, há nos nossos dias equivalência entre uma licenciatura em filosofia e uma licenciatura em espanhol ou inglês, ainda que a formação suposta por estas diferentes disciplinas se coloque num plano muito diferente.

Na Idade Média se pode ser mestre de filosofia, teologia ou direito, ou ainda mestre em artes, o que implica o estudo do conjunto ou do essencial dos conhecimentos relativos ao homem, representando otrivium as ciências do espírito, e oquadrivium as dos corpos e dos números que os regem.

Toda a série de estudos se aplica, portanto, a dar uma cultura geral, e só se faz realmente uma especialização ao sair da faculdade.

Oxford, Wadham College
Oxford, Wadham College.

É isto que explica o caráter enciclopédico dos sábios e dos letrados da época.
Um Roger Bacon, um Jean de Salisbury, um Alberto Magno dominaram realmente os conhecimentos da época e podem entregar-se sucessivamente aos mais diferentes assuntos sem temer a dispersão, pois a sua visão de base é uma visão de conjunto.

(Autor: Régine Pernoud, “Lumière du Moyen Âge” – Bernard Grasset Éditeur, Paris, 1944)



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário